terça-feira, 28 de agosto de 2012

Apenas Relatos. 6

04 de Agosto de 2012.

O dia estava amanhecendo, a aurora pairava sobre o céu da cidade em pleno sábado de Agosto.

Mas, a gosto de quem?

Sei lá, só sei que no relógio, o ponteiro marcava 5:00hrs da manhã, alguns pássaros davam seus primeiros assuvios, algumas galinhas despertavam cantando o seu cócóricó por todos os lados.

O cheiro do café sendo coado e fresquinho exalava pelas ruas da zona leste, e eu, humildemente caminhava em direção ao ponto final, ou inicial, da lotação com destino a zona sul da cidade de São Paulo, bairro este mais conhecido mundialmente como Capão Redondo.

Nossa, mas porque tão cedo?

E a resposta é clara e óbvia:

TRABALHO!!!

Antes de sair de casa pesquisei sobre o melhor - ou o menos demorado - trajeto a ser realizado até chegar na AMA de Especialidades e achei uma alternativa que talvez me ajudaria, e realmente me ajudou.

Depois de sair da casa da minha companheira até chegar na Zona Sul foram passadas mais de 2 horas até chegar na Estação de Metrô Capão Redondo. Além de ter sido a primeira vez que estava indo para o outro lado do extremo sul também foi a primeira vez, durante este perído de trabalho com pesquisa que eu não peguei nenhum trânsito dentro do transporte público. Que maravilha... é mas nem tudo é tão perfeito, maravilhoso assim...

Depois de tanto tempo dentro de trens e metros cheguei na AMA. Ao que tudo indicava o espaço apresentava ser bem movimentado, ainda mais por ser num final de semana (Sábado). Chegando no espaço fui em busca do diretor geral, mesmo porque a Gerente só trabalha durante a semana. Feito isto fui atrás de um espaço mais tranquilo e aconchegante pra poder respirar um pouco e descansar até a hora de começar o trampo.

Neste instante me recordei do caminho realizado até chegar no bairro do Capão Redondo e fiz uma comparação com os demais locais que já realizei o mesmo trampo, e percebi - num susto - que foi super de boas chegar até lá. Que coisa não?

Esta foi a primeira parte do caminho até chegar lá, mas como disse acima: Nem tudo é tão MARAVILHOSO ASSIM.

Contudo passei por algumas situações desagradáveis e deselegantes com o trampo, me trataram com um certo receio e também com uma postura arrogante. Me destrataram literalmente até verem que eu estava fazendo um trampo para a VP e que tinha como proposta ser encaminhada para a Secretaria Municipal de Saúde ai né galera tudo mud:, o comportamento, a atitude, o como falar comigo e isto e aquilo enfim... e isto me incomodou por demais, me sentia meio usado, como se estivesse fardado, sinceramente uma sensação que NÃO QUERO MAIS SENTIR ou ter minimamente qualquer influência grotesca como esta.

Foi foda mas superei, consegui passar por cima disto pois recorri a minha origem e nas minhas influências, meu histórico de vida e militância. Isto me fez observar que estarei sempre sujeito a estes tipos de situações e o que devo fazer é erguer a cabeça e continuar caminhando... Sem parar e denunciar o que não admito e o que não compartilho.

Enquanto não chegava o horário de começar o trampo pude ouvir um som bem diferente do que geralmente estamos muito acostumados - infelizmente - a ouvir, algumas pessoas podem até duvidar, mas novamente os PÁSSAROS estávam lá para presentear meu dia com seus cantos e mais cantos que não paravam um minuto se quer e para encher meu peito de vida e também de paciência em lidar e trampar com o público.  Mas de uma coisa estou mais que certo, toda experiência é válida quando se tem a convicção de que, o que se faz não é somente por grana ou reconhecimento e sim para o/a outro/a.

Falando dos pássaros, acredito que isto foi um sinal para que o trabalho, o simplesmente o espírito, pudesse ser preenchido com tranquilidade para encarar o dia a dia; assim como para as pessoas que estavam indo ao encontro da AMA de Especialidades para ser atendidas.

Mas, nem tudo é tão MARAVILHOSO ASSIM, mas a vida e os caminhos seguem seu fluxo, e eu apenas caminho em direção do que acredito, do que sonho e do que construo, mas nunca só e sim com pessoas batalhadoras ao meu lado, sem PARAR JAMAIS de LUTAR, JAMAIS.