quarta-feira, 24 de agosto de 2011

CARTA ABERTA.

CARTA ABERTA.
2° Manifesto Cultural em prol da Casa de Cultura de Ermelino Matarazzo
São Paulo, 23 de Agosto de 2011.

       Caros companheiros Culturais, Moradores, Sociais e Políticos:

       Nós, coletivos culturais de Ermelino Matarazzo, fomos IMPEDIDOS de realizar o 2° Manifesto Cultural em Prol da Casa de Cultura de Ermelino Matarazzo. Acompanhem como foi.

       O encontro estava programado para acontecer dia 20 de agosto no "Parque Linear Mongaguá Francisco Menegolo" na altura do número 1371 do próprio bairro. O intuito era pressionar e divulgar a luta por um espaço cultural, já que dispomos  apenas de uma biblioteca na região.

Na manhã do dia 20, sábado, foram retiradas na subprefeitura de Ermelino Matarazzo quatro tendas para montagens no evento, estas foram solicitadas junto da permissão para utilização do espaço conforme ofício protocolado pela administração.

Ao chegar à praça e iniciarmos a montagem das tendas, alguns policiais da Guarda Civil Metropolitana (GCM) questionaram sobre o que aconteceria no local e se possuíamos autorização prévia para o encontro. Informamos que estávamos de posse da autorização e que funcionários da própria subprefeitura estariam na atividade fotografando e prestigiando o acontecido.

Um dos guardas da GCM solicitou vistas do ofício e pediu o RG do responsável pelo protocolo para averiguação com seus superiores. Depois de algum tempo retornou dizendo que aquele documento não tinha validade e que não poderíamos realizar o encontro.

       O ofício havia sido protocolado pela secretária de chefe de gabinete, Isis Vanessa Dullo, e a liberação da tenda foi feita pelo Sr. Furquim. Inclusive, na terça-feira, havíamos tido uma reunião com o Aldo Valentim, da secretaria do Estado da Cultura, na própria subprefeitura e a Srª. Isis e a Supervisora de Cultura, estavam presentes e declararam apoio as nossas atividades, incluindo esta.

      O guarda-civil pediu para que nós aguardássemos e retornou com um senhor chamado Mario, fiscal da subprefeitura, após vários telefonemas o fiscal disse que era um outro tipo de ofício que precisávamos e que o evento poderia causar algum tipo de tumulto, danos ao parque, confusão e etc.

Apesar de dizermos que não era um evento e sim um encontro de vários grupos culturais afim de reivindicar um espaço cultural, não houve acordo, pois a ordem de vetar o evento veio de uma instância superior.

A única possibilidade era permanecermos como pedestres já que impediram  que nós  montássemos os equipamentos de som, tendas, trave de circo ou qualquer outro suporte para o Manifesto Cultural. Sem estrutura nenhuma ficamos resistindo e avisando a todos que chegavam ao evento sobre o acontecido que impediu a realização do Manifesto.
      
        Os grupos e artistas culturais estão indignados com a situação, já que se trata de um espaço público e deve ser ocupado pela população, portanto queremos uma posição do Poder Local, Subprefeitura de Ermelino Matarazzo.


Cultura ZL.
Projeto Cultura na Praça.

Nenhum comentário: